Haicais Tropicais

Em vice-versa
Os vãos que atravessam
Pontes no tempo.                           Moduan Matus



Um abacaxi
Em infrutescência
Autocoroado .                                       Moduan Matus



Guaranazeiros
Excitam a Amazônia
A reproduzir-se.                         Moduan Matus



Arrepiado,
Mascarado guaxinim
Que se assusta!                           Moduan Matus




Mimetizados
Alguns bichos-paus
Perdem as raízes.                       Moduan Matus



Sabor de Brasil
A Feira de São Cristóvão
A nos nortear.                           Moduan Matus



No mundo da lua
As asas da imaginação
Em sobrevoos.                           Moduan Matus




Um internetês
Em abreviaturas
Quanto su(s)ci(n)ta!                              Moduan Matus



Orna os olhos
Descrevendo o brilho
Lápis-lazúli.                                          Moduan Matus



Sua palavra
‘Tava  aferésica
Mas ia pingando.                                Moduan Matus



Todo gris
Ama os detalhes
Do pedrês.                                          Moduan Matus



Foi à Glória
Flertar com uma Vitória
Em plena Aurora.                              Moduan Matus



Na mísula, a
Estátua enigmática
Move os olhos.                                 Moduan Matus



Meio à calçada
A moça das candongas
Não sabe calar.                                  Moduan Matus




Enquizilado
Zum-zum-zum de zangão
Sem um harém.                                Moduan Matus




Murucututu
Na noite voa a ave
Em dia de caça.                                 Moduan Matus




Certas ostras
Esculpem joias
Dos joios.                                    Moduan Matus



As figurinhas
Em jogo no bafo-bafo,
Mão em mão,viram!
Moduan Matus



Poder público
De base bundamolista
Pode desancar.                                             

Moduan Matus


Happeninguém
Parado! Exposição
Contextualista.                                           

Moduan Matus


Ícaros-cupins
Carcomem a madeira
E criam... asas.                                           

Moduan Matus



Velho circular
Na Feira do Lavradio
O culto do Rio.                                         

Moduan Matus
  

Desdém de gato:
Inextricável novelo?
Bola de meia!                                            

Moduan Matus
  

Na savanização
De florestas tropicais:
Homens pastando.                                

Moduan Matus

O tempo diz da
Necessidade de criar:
Espaço/nave.                                                            

Moduan Matus

Pelo belo sol
Espreguiça-se o haicai
E a tarde se vai.  

Moduan Matus

Aos borbotões
Borboletas aboletam
As plantações.

Moduan Matus


Cúmulo do ousar:
A liberdade mudar
A outro lugar.

Moduan Matus



Lua no varal
Já vestida de nova
Em vento vernal.

Moduan Matus


Canta o galo
Formando a corrente
Eco de estalo

Moduan Matus
                                                       



Pelo quintal
Pintos e galinhas
Refazem ovos


Moduan Matus



Seus pais
Sua filosofia
Seus filhos

Moduan Matus


Diante da escada
Pausa para reflexão
E a escalada?

Moduan Matus



No verde amarelo
Do cacho de bananas
Pousa um azulão. 

                                                                      Moduan Matus


A liberdade
Não tem asas.
Tem aspas.

Moduan Matus


Sábia a sabiá
Que antes de cantar
Sonda o lugar



Moduan Matus









Sebinhos se banham,
Na tarde, raios do sol,
Aquecem o outono



Moduan Matus


Tem as sementes:
Asas, barbatanas e patas,
Tão invisíveis!

Moduan Matus

Sonhos são tão reais
Que nossa imaginação
Cria a utopia.

Moduan Matus



Um comentário: