quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Signos: Poemas-Instalações

Cabra
Da ciência
Mineiro de
Campanha
Vital
Brasil
Acompanha
Encampando
Antiofídico
Vital.
Ele é cobra
Dupla cabeça
Batuta do
Butantã.                 Moduan Matus.


*** 


Veemente
Mente
Socorro
Trindad
Existencializa
A revolução
Precisa
Em cada cabeça
Tão soçobrada e
Narcisa.                       Moduan Matus.


***


Romério
Rômulo
Rompe as
Pedras dos amigos
Libertando o
Anjo tardio
Azul de flauta
E de códigos &
Córregos
Rompantes
Em gotas
Que fazem
A lua luar
Na rua de
Qualquer lugar.                               Moduan Matus.



*** 



Émi
Zola
Diz de quem
Isola
Com desdém
Por asfixia
Social e moral
O que jia.
Forçando
O nascer
Germinal.                      Moduan Matus.


*** 


Na
Utopia de
Paulo
Gabriel
O desterro
Da poesia
Forma o
Alicerce
Da liberdade
Pela
Plena
Travessia.             Moduan Matus.


*** 


Luís da
Câmara
Cascudo dá
Força
A imaginação
Que abre
Caminhos
Aos
Quase mudos
Em patente
Em posse
Desse mundo
Tão potente.                      Moduan Matus.


*** 


Orlando
Brasil
Barr(o)(a)
Orlado
De
Piratining(a)
Tabatinga
Escrutando
Esculturas.                           Moduan Matus.


*** 

Estabanados aprendizes
Num megalóporfanato
De solo & sol & bagana
E(m)el & graça & coisa
Elástica
Se encontram
Entre a bigorna
E o martelo
Amoldando
Marcelo
Monte (s)
Negro (s)
Na paisagem
Aglomerada & instalada.               Moduan Matus.



***


Lavando roupa
No canto, Maria Gadú
Requebrando.                               Moduan Matus.



*** 


Só os
Insossos
Ossos
Jazem
Sob lápides.
Outros lapidados
Estruturam
Sem grifo
A musicalidade em
Sal & sol
Na flauta
Poesia
Que
Ivan
Junqueira
Queria.                                           Moduan Matus.

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Signos: Poemas-Instalações

Jorge
Mautner
Amalgama
Fragmentos de sabonete
Ao violino
Violando a ordem
Dogmati(caóti)ca
E vai metendo o pau
Isto é:
Soltando a vara
Nos concertos
Nos conceitos
Desconsertantes
Que boiam
Em bolhas
Supérfluas
No espaço
Do super homem.                                          


Moduan Matus.





Cascavelando
Com volúpia
Eros
Volusia
Rodopia em
Pichos e
Meneios
Um transe
De corpo inteiro
A dança indígena
O sensual
Samba lundu
Trementes seios
Miscigenando
Um bailado
Brasileiro.                                           


Moduan Matus.





O quê
Que
Cris
To
Vão
Bu
Ar
Que
Res
Pira
Per
Gunta
Per
Muta
Alç(a)lma
E alcança o estado
De coisas retornáveis.                               


Moduan Matus.





Lasar
Segall
Torna-se
Tropical
No bananal.
Bons frutos
Amadurecem
O cenário
Em novo
Templário.                                     


Moduan Matus.




Transgredir por
Beatriz
Bater asas
Rever estrelas
Arquitetar
Subir às estrelas
Fazer lampejos
Tremular
Na solidão humana
Erguer divina
Comédia e percorrer
Dante(s)
Alighieri
Por terra
Âmago e mar
E as estrelas
Que move o amar
Em línguatoscanear.                      


Moduan Matus.




Oh
Grandioso
Mohandas
Gandhi o
Mahatma
Do Gangis
Satyagraha
Sagrada
Pertencente
Universalizante
Sol e
Sal da liberdade
Não-violenta e
Cativante
Pacifique todos
Tão equidistantes!                   


Moduan Matus.




O corpo
Ex põe sia
De Nei
Leandro de
Castro e
Provoca
A nudez
Da musa
Que verão
Vestida de
Mínima
Lismo
Anima
Lesco.                                   


Moduan Matus.




Be(l)atriz
Social
Mãe
Beata
O cordão
Desata
Livran(do)
Ventre ao
Vento o
Ser ante
A tudo ente e
Totalmente
Se
Me
Lhante.                             


Moduan Matus.




Na
Hora de
Ge
Ir
(pelos)
Campos
Compôs
Cânticos aos
Quatro
(às vezes três)
(en) cantos
Do Rio.                                     


Moduan Matus.




As flores em vaso
Obra
Da boca de
Ruth
Christensen
É mais que
Um lampejo
São as cores
E o desejo
De mudar
O tom
Da paisagem.                                    


Moduan Matus.

  

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Debruçado
Em belas
Pranchas &
Telas
Debret
Ilustrou o
Brasil e
Delas
Fez
Num só quadro
Uma raça
Das três.                          Moduan Matus.

Haverá amor
Mate
Mático?
Conta
Ricardo
Kubrusly
Coberto pelos
Arcos da
Lapa
Cheios de casais.                  Moduan Matus.

Mário Laginha
Maria João
Moram
Numa nota
Sol
Temporão
Para que
A terra
Volte a ter
O som
Grão
Crescendo
Do chão
Feito pé
De feijão.                               Moduan Matus.

Ana
Elisa
Merca
Dante
Marca
Alisa
Nana
Diante
Aos ritos
Da noite
Nunca dantes
Do dia
As Ritas
Radiantes
& Os ratos
Da tarde adiante
Irradia a arte
Do seu sonhar poesia.                           Moduan Matus.

Na Grécia
Aristófanes
Poupa
O que hoje
Ainda é:
Encastelados
Pássaros
Em ninhos
Nas nuvens
Do bel-prazer
E ao ideal
Do povo
Suster.                                 Moduan Matus.

Aglomerações
Relevantes de
Sérgio de
Camargo
Marcam ao
Largo a
Esfera e
Esculpindo
À vera &
Reverbera.                           Moduan Matus.

A pá de
Achocolatados
Umpa
Lumpas
Em braços
Cruzados
Reivindicou
De Roald
Dahl
A fundação
Museu
Em pagamento
Ancestral.                             Moduan Matus.

O gás
Hélio
Oiticica
Infinita
Mente
Versátil de
Parangolés
Penetram as
Cama
Das
Prostituídas.                         Moduan Matus.

O espírito
Das leis
Para
Montesquieu
Vem do poder
De três:
Legislativo
Executivo e
Judiciário
Mas
A matéria
Continua povo
Em seu calvário.                 Moduan Matus.

Três raças
Tem seu
Canto:
O encanto
A luz
E o santo.
Clara
Nunes
Guerreira
À guisa
De guizo
Instaura seu
Terreiro de
Guisado &
Tutu à mineira.                         Moduan Matus.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Signos: Poemas-Instalações

(In)visíveis
Cotidianos de
Carlos
Orfeu
A sangria em
Veia poética
Expõe fraturas
Vieses viscerais
Transpasse
De adaga
Transparente
Que indaga
Não-presenças
Ao intestino
Urbano.                          Moduan Matus.




Exposto
O Davi de
Michelangelo
Vai além da
Nudez do
Humanismo
Renascentista
Concebendo
Florença
De belas artes
No aguardo
Cultural
De dia
De noite
Ante ao
Juízo final.                  Moduan Matus.




Na passagem
Passaradas
Flore
Ando
Hiroshigue
Pint
Ando
Pintassilgos
Cant
Ando
Canaletes
Rios
Passando
A natureza
Maravilhando.                Moduan Matus.



Do céu da
América
Latina
Aires da
Libertação
De Enrique
Dossel
Duma situação
Coletiva
Mazelas dos
Ocultamentos
Duma opressão.                Moduan Matus.


Um
Pequeno
Rouxinol
Pousa
De bico em
Bidu
Sayão
Soprano
Quatro
Cantos
No salão.                        Moduan Matus.



Sete vistas
E vícios
Vestem
Dostoievski
Que vive de
Conflitos
& castigos
Que o aflitam
Mas
Donde
Evoluções
Suscitam.           Moduan Matus.


Al
Fred
Rry
Ri
Da
Ridícula
Regra.
Que em
Pata
Física
O amor absoluto e
Solta as
Amarras
Ao
Vento-caos.               Moduan Matus.



Dos
Prazeres
Heitor
Ingênua
Mente
Satis
Fez
Quando
Pintou
A mulher
Do malandro
De tudo
Sambando
Sua tez.                       Moduan Matus.



Em Lesbos
Não ilhada
Safo
De quase nem
Safar-se
A poesia
Além da
Identidade
Safista
De linguajar
Intimista
Em nada
Safada
Apenas
Despida e
Despudorada.                   Moduan Matus.



O
Currículo
Do tempo
Na madeira
De lei
De Antonio
Costella
É ela a
Taboa de náufrago
Que na distância eterna
Atravessa
Mar
Cando o cenário

Numa tela.                      Moduan Matus.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Signos: Poemas-Instalações

As cidades de
Miquel
Navarro
Respiram
Olhares
Verdes e
Almejam
Nuvens
De gelo
Seco
Entre as
Torres de
Hologravuras.                             Moduan Matus.

***

Impressões de viagens
Por caravanas desbundadas
Soltam as margens
Das estradas
Delineando
Rotas não rótulos
Um não-querer
De interiores modulados
Ou ondas pré-fabricadas
Marcando o início
Meio a ciranda
Feita ibidem de
Heloísa Buarque  
“Brasilense” de Hollanda.                  Moduan Matus.

*** 


Betty
Min
Dlin
Inicia-se
Tintim
Por
Tintim
Do timbre
Da tribo
Que brinda e brinca
Plantando
Mandioca &
Amendoim.                     Moduan Matus.

***

Para
Nenê fadado
Chupeta
Pela guarnição
Guardada fardada
Falada de
Gianfrancesco
Guarnieri
Enquanto pessoas
Malfadadas
De Black-tie
Na sala de jantar
Em aguados aguardos
Agarram a guarnição em
Segredos e
Resguardos.                        Moduan Matus.

***

Amor solto
Betty boop
Choque rock
Look louco
Rola jorra
Júnior em
Jota erre e jazz
Em pop rouco
Num pente fininho e
Vai deitando cabelos
Pelos arrepios
Após um blues
Bão balalão que
Pipoca outro
Bee bop du bão.                  Moduan Matus.

***

Gigi da
Cunha
Lima adentra
Enxada
Duma unha
Nos dedos
No pé
Em sambas
Bambas
Ao gosto
Semiótico
Em terra
Exposto
Escrito
Estampado e
Pleno
De suor do rosto.                 Moduan Matus.

***

Beba
Tomie
Ohtake
Tudo
Na pa
Rede
Ou no chão
Deixando
Nossas
Novas
Formas em
Exposição.                    Moduan Matus.

***

Cultura de massa
Tocando na televisão
Tipificando
Grotesca comunicação
Municiando
Muniz Sodré
Em sobremaneiras
Sobre perdas
Sobrepostas
Sobre marcas
Sobressaídas
Em atiçamentos
Leiloativos na
Cortina de fumaça.                      Moduan Matus.

***

Li
Bo
Li
Ber
Ta
Sim
Bo
Los
Como
Gosto
Da língua
No mosto.                       Moduan Matus.

***

Luiz
Vilela
Viola &
Violino
Tudo no
Tempo
Contando
Cantares &
Tremores
Desses em
Nosso
Destino.                          Moduan Matus.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Signos: Poemas-Instalações

Casa de terra
Água
De inquieta
Henriqueta
Lis
Boa
Chama de poesia
Escrita no ar
Azul
(do amor)
Cor
Cel
Que voa
Plantando
Loa & f lor.                        Moduan Matus.



O trino em
Utrillo
Aponta
Céu
Acima
Das catedrais
Em bico de
Foguete.
Fiéis sempre
Assentam
Em números
Esperando
Com a partida
Botar mais fogo
No inferno.                             Moduan Matus.




O sangue
Das palavras de
Marlos
Degani
Escorrem
Pelo
Frio
Fio
Íon de
Aço
Tecido
Do cio
E do corte
Dialético
Onde gotas
Híbridas
São ligas entre
Chegadas &
Par ti das.                        Moduan Matus.



Nos bichos
Tudo é
Gestu
Arte
Elege
Claqueteando
Lígia
Clark.                                 Moduan Matus.




Arde a tarde
Os minutos
Transfiguram-se
Somando
Sonetos
Em seu caminhar.
Súdito da noite
Paulo Bomfim
Começa a
Ter a sensação
De voar entre
As cambraias no varal
Versando
Em tempo
Reversível.                          Moduan Matus.




Gaudí
Projeta sonhos
Contorcionando
Circunflexas
Origens
Por canteiros
E outeiros
Enquanto que
Nas paralelas
Um bonde
Atrita
A massa.                                      Moduan Matus.



Hedonistas
Cairo de
Assis &
Denizis
Trindade
Dupla
A qual
Invade
Literal(mente)
Penetrando
Em buracos&cabeças
Feitum poema
Pra ser
Pornô (gráfico)
Prazer.                                  Moduan Matus.



Lindo! O
Lundu na
Viola de
Lereno
Ganha
Terre(no)
Romantismo &
Na voz
Dengosa de
Domingos
Caldas
Barbosa.                                  Moduan Matus.



Joris
Ivens
Inventa
Argumentando
Documentando
Comentando
Filmando
Anseios
Do seio
Poético
Político.
Históric(as)
Pontes
De crivo
Crítico.                               Moduan Matus.



Em guerra
No beco do
Tempo
& eternidade
Tal
Negra
Fulo
A sair e o
Anjo
Órfico
Jorge
De
Lim(a)

Polir.                                Moduan Matus.