segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Signos: Poemas-Instalações

As cidades de
Miquel
Navarro
Respiram
Olhares
Verdes e
Almejam
Nuvens
De gelo
Seco
Entre as
Torres de
Hologravuras.                             Moduan Matus.

***

Impressões de viagens
Por caravanas desbundadas
Soltam as margens
Das estradas
Delineando
Rotas não rótulos
Um não-querer
De interiores modulados
Ou ondas pré-fabricadas
Marcando o início
Meio a ciranda
Feita ibidem de
Heloísa Buarque  
“Brasilense” de Hollanda.                  Moduan Matus.

*** 


Betty
Min
Dlin
Inicia-se
Tintim
Por
Tintim
Do timbre
Da tribo
Que brinda e brinca
Plantando
Mandioca &
Amendoim.                     Moduan Matus.

***

Para
Nenê fadado
Chupeta
Pela guarnição
Guardada fardada
Falada de
Gianfrancesco
Guarnieri
Enquanto pessoas
Malfadadas
De Black-tie
Na sala de jantar
Em aguados aguardos
Agarram a guarnição em
Segredos e
Resguardos.                        Moduan Matus.

***

Amor solto
Betty boop
Choque rock
Look louco
Rola jorra
Júnior em
Jota erre e jazz
Em pop rouco
Num pente fininho e
Vai deitando cabelos
Pelos arrepios
Após um blues
Bão balalão que
Pipoca outro
Bee bop du bão.                  Moduan Matus.

***

Gigi da
Cunha
Lima adentra
Enxada
Duma unha
Nos dedos
No pé
Em sambas
Bambas
Ao gosto
Semiótico
Em terra
Exposto
Escrito
Estampado e
Pleno
De suor do rosto.                 Moduan Matus.

***

Beba
Tomie
Ohtake
Tudo
Na pa
Rede
Ou no chão
Deixando
Nossas
Novas
Formas em
Exposição.                    Moduan Matus.

***

Cultura de massa
Tocando na televisão
Tipificando
Grotesca comunicação
Municiando
Muniz Sodré
Em sobremaneiras
Sobre perdas
Sobrepostas
Sobre marcas
Sobressaídas
Em atiçamentos
Leiloativos na
Cortina de fumaça.                      Moduan Matus.

***

Li
Bo
Li
Ber
Ta
Sim
Bo
Los
Como
Gosto
Da língua
No mosto.                       Moduan Matus.

***

Luiz
Vilela
Viola &
Violino
Tudo no
Tempo
Contando
Cantares &
Tremores
Desses em
Nosso
Destino.                          Moduan Matus.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Signos: Poemas-Instalações

Casa de terra
Água
De inquieta
Henriqueta
Lis
Boa
Chama de poesia
Escrita no ar
Azul
(do amor)
Cor
Cel
Que voa
Plantando
Loa & f lor.                        Moduan Matus.



O trino em
Utrillo
Aponta
Céu
Acima
Das catedrais
Em bico de
Foguete.
Fiéis sempre
Assentam
Em números
Esperando
Com a partida
Botar mais fogo
No inferno.                             Moduan Matus.




O sangue
Das palavras de
Marlos
Degani
Escorrem
Pelo
Frio
Fio
Íon de
Aço
Tecido
Do cio
E do corte
Dialético
Onde gotas
Híbridas
São ligas entre
Chegadas &
Par ti das.                        Moduan Matus.



Nos bichos
Tudo é
Gestu
Arte
Elege
Claqueteando
Lígia
Clark.                                 Moduan Matus.




Arde a tarde
Os minutos
Transfiguram-se
Somando
Sonetos
Em seu caminhar.
Súdito da noite
Paulo Bomfim
Começa a
Ter a sensação
De voar entre
As cambraias no varal
Versando
Em tempo
Reversível.                          Moduan Matus.




Gaudí
Projeta sonhos
Contorcionando
Circunflexas
Origens
Por canteiros
E outeiros
Enquanto que
Nas paralelas
Um bonde
Atrita
A massa.                                      Moduan Matus.



Hedonistas
Cairo de
Assis &
Denizis
Trindade
Dupla
A qual
Invade
Literal(mente)
Penetrando
Em buracos&cabeças
Feitum poema
Pra ser
Pornô (gráfico)
Prazer.                                  Moduan Matus.



Lindo! O
Lundu na
Viola de
Lereno
Ganha
Terre(no)
Romantismo &
Na voz
Dengosa de
Domingos
Caldas
Barbosa.                                  Moduan Matus.



Joris
Ivens
Inventa
Argumentando
Documentando
Comentando
Filmando
Anseios
Do seio
Poético
Político.
Históric(as)
Pontes
De crivo
Crítico.                               Moduan Matus.



Em guerra
No beco do
Tempo
& eternidade
Tal
Negra
Fulo
A sair e o
Anjo
Órfico
Jorge
De
Lim(a)

Polir.                                Moduan Matus.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Signos: Poemas-Instalações

Agulhad(a)
Alinha
Do
Walter
Alfaiate
Ata:
Vai ter
Samba
Com
Posto
Com
Ponto
Com
Couro
Com
Coro
Com
Corda.                                       Moduan Matus.




Esopo
Quase mudo
Quase seco
A fonte de
La Fontaine
Deu corda
& caçamba
Concordando
Contando
Com
Fabula
Com
Crianças
Saciando-se
No manancial
Do imenso
Quintal.                                     Moduan Matus.




Entre
Mil coisas de
Polis
Ei-la
Leila
Míccolis ali
Colhendo
Descrevendo
Reescrevendo
Homemulher
Vícios e(m) versos
Esses
Paradigmas
Esses
Estigmas
Que ama(l)
Gamam.                                     Moduan Matus.




O mundo de
Vik
Muniz
Humanizado
Num flash
Por um rosto
Quando
Viu a bala
Munição
Acertar sua
Ilusão
Com mais
Modelação.                                   Moduan Matus.




Cabeça em
Carrossel
De luz
Ilumina
Lewis
Carroll
Que
Me
Nina
Alice em céu
Alicerçando-se
No sono
Nonsense
Eterno
Da meni
Nice.                                       Moduan Matus.




Equilibrada
No ritmo
Da capoeira
Mestre
Pas
Tinha a paz
Tinha a força
Da terra
Noutro ângulo
Em contento
Solto ao vento
Entre pés
Mãos
Sons
Plantas
Palmas &
Movimento.                            Moduan Matus.




Certas cariocas
Na invenção do feminismo
Faz
Hélio
R. S. Silva(r)
Pelas ruas &
Bastidores
Onde rodam
As baianas
E rufam os tambores
Das desenvolturas
Além da
Androginia.                       Moduan Matus.




Em
Estado de
Coma
Alex
Flemming
Pede pizza
Para viag(em)
Próximo
Endereço
Na terra
Da garoa
Quando sua
Hora soa.                             Moduan Matus.




Brinca
Ziembinsky
Vestido
De noiva
De mulher
De brinco
De peça
Em cenário
Fagueiro
À beça
Figura (ndo) no
Figurino
Iluminando
As beiras
Lineares
Da estrada
Começada e
Infinita
Mente
Inacabada.                     Moduan Matus.




Pela
Alma de
Almir
Guineto
O nosso
Gueto
Que samba
Nunca
Ficará
Quieto.                        Moduan Matus.


segunda-feira, 3 de julho de 2017

Signos: Poemas-Instalações


Acesa vela
A Vila da Penha e
Eud
Pestana
Menestrel
Canta a pedra
Em trocadilhos
E em pop poesia urbana
Escalando
Escalonando
Os otimizados
Degraus
Da catedral
Que do alto
Vê nascer
A verve que serve
Ao esfuziante prazer.           Moduan Matus

domingo, 2 de julho de 2017

Signos: Poemas-Instalações

Versejando
Noites
Chico
Lins
Ins
Pira-
-se
De sonhos
Como
Nau
Fragos em
Tragos
Flagelam-
-se no
Asfalto.                                              Moduan Matus.





Mira &
Delira a
Lira & o
Povo de
Djanira
Fazendo
O mundo
Em seus
Costumes
De sempre
Suster
As cores
No fundo.                                            Moduan Matus.




António
Nobre
Em
Se desventura
Mas sob a
Influência
Da lua
Junto a uma canção
De felicidade
Exulta o pobre.                                  Moduan Matus.





Dio
Nísia
Floresta
Brasileira
Augusta
De peito
Libertè
Expandiu
O ar
Feminino
De cor
Além dos
Pulmões.                                            Moduan Matus.





Soa & sua em
Ricardo
Soares o
Caldo o
Sino no
Cine &
Vertigem
Do gen
Quem
Quem
Quem
Que
Sua
Origem
Tem.                                                   Moduan Matus.




Elegia &
Aquarela
Lygia
Bojunga
Conjuga
Daquela
Janela
O quê que
Raquel
Quiser
Da casa
E da cornucópia da
Bolsa amarela.                                    Moduan Matus.




A luz do dia
Nos recortes
A paisagem da tarde
Risca & arde
Quando
Richard
Ave
Don voa
Do(min)ando
Ruas &
Radiofotos de
Seus mo(vi)mentos.
Roupas sempre serão
Mais que simples
Objetos e rostos
Quando ao vento.                                 Moduan Matus.




Mesmo em olhos secos
Ressurgiu das sombras de
Angola as
Asas da nova
África
Numa aurora
Em espeques
Nos musseques
Livre do veto a
Sagrada esperança
Apontada
Disparada de
Agostinho
Neto nos
Augustos versos.                           Moduan Matus.




Rutila
Augusto
Ruschi
Pajelando
Pólen
Rústico
No ar.                                        Moduan Matus.




Deus
Lhe
Pague
Joraci
Camargo
Por
Tantas &
Tudo
Onde &
Quando
Foi
Descortinando.                           Moduan Matus.

sábado, 3 de junho de 2017

Signos: Poemas-Instalações

Esse
Eça de
Queirós
Queria
Nos
A par
Do tanto e
Do quanto
Nos
Seguiria
Esta
Sócio
Ironia.                                                     Moduan Matus.



Gênesis
Torres de prosa
Torrentes de
Gerúndios
Verso verbo
& reverso
Gerando girando
Imerso
Quanto se pense
Da história
Da peleja
Que de tento em tento
Se vence
Em (na)
Baixada
Fluminense.                          Moduan Matus.



Formas
Elementares
De Émile
Durkheim
Formam o
Corpo
Social
Da vida:
O sagrado
Acondicionando
O profano
Desviando &
Outros se
Aproveitando.                            Moduan Matus.

Fervem
Tambores
Portam-se
Estandartes:
Cuti & cútis
Negro & negra
Sangu(e)
Sanga & prece
Passista
O nosso
Molho
Pardo
Em fogo
Mais aquece.                                       Moduan Matus.



Se recorda
Federico
Fellini
Que fora
Rapaz
Bobo
Capaz
De correr atrás
De flocos
Espermatozoides
De paina
Para despertar
Prazer apraz
Pelo pelo
Tato & tela
De tanto sentir &
De tudo que se faz.                          Moduan Matus.

 

Para que
Pudessem
Melhor
Febeapalizar
Stanislaw
Instalou a
Ponte
Preta
Perto
Dum parco
Porto
Analfabeto
Dum país
Chumbado
&
Quase morto.                                           Moduan Matus.



Colette o
Prazer
Em
Todos
Os sentidos
Ingênitos
Se ingê
Nua
Libertina
Libertária
Neles
Mimetizar-se.                                   Moduan Matus. 



Dado
Andrógino:
Colette
Sua
Signi
Ficância ao
Amor
Libertino
Dos dias
Oscilando
Sempre
Entre os
Sentidos.                        Moduan Matus.



Circunscis
Fláutico
Desabrigo
Gira em
Gírias &
Brigas
No mangue
Gerando
Intrigas
No solo
Antônimo a
Antônio
Fraga
Moinho e...
Cacarecos entre
Outros trecos.                                       Moduan Matus.



Wilhelm
Reich
Rachou a
Rocha
Desfez a rusga
Rumando a um
Orgasmo
Funcional em
Ruptura e
Zé ninguém
Filho de uma pauta
Ainda hoje
Nada escuta
Sobre o prazer
No ser.                                               Moduan Matus.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Signos: Poemas-Instalações

As cidades de
Miquel
Navarro
Respiram
Olhares
Verdes e
Almejam
Nuvens
De gelo
Seco
Entre as
Torres de
Hologravuras.                  Moduan Matus.

***

Betty
Min
Dlin
Inicia-se
Tintim
Por
Tintim
Do timbre
Da tribo
Que brinda e brinca
Plantando
Mandioca &
Amendoim.                              Moduan Matus.

***

Para
Nenê fadado
Chupeta
Pela guarnição
Guardada fardada
Falada de
Gianfrancesco
Guarnieri
Enquanto pessoas
Malfadadas
De Black-tie
Na sala de jantar
Em aguados aguardos
Agarram a guarnição em
Segredos e
Resguardos.                          Moduan Matus.

***

Amor solto
Betty boop
Choque rock
Look louco
Rola jorra
Júnior em
Jota erre e jazz
Em pop rouco
Num pente fininho e
Vai deitando cabelos
Pelos arrepios
Após um blues
Bão balalão que
Pipoca outro
Bee bop du bão.                   Moduan Matus.

***

Gigi da
Cunha
Lima adentra
Enxada
Duma unha
Nos dedos
No pé
Em sambas
Bambas
Ao gosto
Semiótico
Em terra
Exposto
Escrito
Estampado e
Pleno
De suor do rosto.                Moduan Matus.

***

Beba
Tomie
Ohtake
Tudo
Na pa
Rede
Ou no chão
Deixando
Nossas
Novas
Formas em
Exposição.                      Moduan Matus.


***

Li
Bo
Li
Ber
Ta
Sim
Bo
Los
Como
Gosto
Da língua
No mosto.                      Moduan Matus.

***

Luiz
Vilela
Viola &
Violino
Tudo no
Tempo
Contando
Cantares &
Tremores
Desses em
Nosso
Destino.                      Moduan Matus.

***

Preso
Em cadeias
De razões
Gottfried
Wilhelm
Leibniz
E a coisa
Em si
No ato
Suplantada
Em carrada
De mônadas.               Moduan Matus.

***

Aldeia
Afrotupy.
Ondas
Mar em que
Marko
And®ade
Dança
Cirandando
Selvática
Festança
Sob comparsa
Lua alçando a
Terra
Em terna
Aliança.                        Moduan Matus