Metatexto dos Poemas Travalinguistas (Trava-línguas)

METATEXTO DOS POEMAS TRAVALINGUISTAS  (Trava-línguas)                                                                              
(por Moduan Matus)
Os primeiros contatos com a língua materna vão se fixando inconscientemente através da Literatura Oral, a qual se dá logo no período de gestação e lactância através da palavra falada ou cantada; e mesmo depois de se obter o contato visual ou da escrita a infância brasileira continua a oferecer essa riqueza, baseada e originária de três formações culturais que nos privilegia, nos diferencia e nos personaliza.
A Literatura Oral oferece uma variedade de classificações e regionalidades. Uma delas é o TRAVA-LÍNGUA: exercício lúdico-popular, que desperta curiosidade por ligeiras diferenças de pronúncia, onde fonemas podem confundir o que na grafia e no significado se encontram distintos. Esse exercício intelectivo acompanha a cada pessoa ao tomar conhecimento de uma nova palavra; ao memoriza-la, ao classifica-la, assim, evitando confundi-la ao pronuncia-la. São as hipérteses que dão a língua um sabor especial, enriquecendo-a com aditivos e possibilidades culturais, criando uma literatura mais própria, parecida com o continente.
Além do Trava-língua sempre nos acompanhando, as décadas de 50 e 60 do século XX povoou a Literatura Brasileira de vanguardas, dentre, além de João Cabral de Melo Neto, o conceito: Poesia Concreta que envolve, sem nos remeter a outros, a um exercício acima do visual e da metalinguagem; pela proximidade fonética, num mar de possibilidades em experimentos ao longo dos seus anos. Vários escritores vieram desenvolvendo suas criações a partir de tais conhecimentos, chegando a características inconfundíveis, tornando-se ícones em seu labor.
Em seguida, vem o trabalho do poeta Affonso Ávila no Brasil, desmitificando, por excelência, trazendo à tona a beleza paradoxal da língua em vertentes quase inconscientes de palavras, por pouco não se repetindo, sem tropeçar, libertando o intrínseco de forma edificante. E depois a poesia participativa (principalmente nas duas últimas décadas do século XX) do poeta urbano Flavio Nascimento de riquíssimo conteúdo oral.
Esse pequeno rastro dá a ideia do inerente vocábulo travalinguista na Literatura Brasileira.
Ao pronunciarmos ou ao escrevermos uma palavra, despertamos inconscientemente outras de som ou grafia aproximadas e comutáveis e esse exercício libera a profusão léxica ou fonemática, fazendo aparecer em nossa literatura vários escritores com poemas travalinguistas.
Depois de rebuscar o alfarrábio e rascunhos deparei-me com tais exercícios, conscientes ou não, os quais, tratei de recuperar e dar continuidade para, quem sabe, mais tarde uma introdução:
O autor, início de dezembro de 2010.

Alguns poemas trava-línguas:

...
A dentadura
Aguenta
A mordedura
Da polenta
E por ser atenta
A quebradura
Não atura
A insensatez
Da rapadura.            Moduan Matus.

...
De linha
Em linha
Enquadro
A amarelinha
Que pé ante pé
Alinha
O passo a passo
Do pulo
Da terra ao céu
No encalço
Duma pedrinha.          Moduan Matus.

...
Em Jijoca de
Jericoacoara
Ginga a
Jaguatirica
No jirau
Mirando o
Jacu-taquara.             Moduan Matus.

...
Dividido
Entre
Vida e
Diva
Divaga
Inútil
Til
Sobre
Divã.               Moduan Matus.

...
No perímetro
Peripatético
Persiste
Aristóteles em
Pertinentes
Peripécias
Epistemológicas.             Moduan Matus.

...
Ao beber
A beberagem
O bebê
Babou
Bastante
Na babete
Da babá
Bebiana em
Beberibe.            Moduan Matus.

...
Quem fica
Em Itaparica
Toma mojica
Na canjica
Na choupana
Da Tia Chica
E maloca
A tapioca
Na taipa
Do Tio Joca.               Moduan Matus

...
No moquiço
De um cortiço
O mosquito
Faz agito
No fronteiriço
Que nisso de
Grito em grito
Acende o pito
Esquisito.   Moduan Matus

...

Não misturar
A literatura

Oral do
Litoral de
Gragoatá
Com
A garatuja
Do manual
No manancial
De Guarujá.   Moduan Matus

...

"Joca
jinga em
Quijingue
num botequim
ao som do
tamborim
chinfrim
comprado
no shopping
ching-ling
de Quixeramobim".   Moduan Matus 

...

No tablado
Da taverna
Três
Travessas
De tremoços
Trepidam
Ao trotar

Da tropa.    Moduan Matus

Nenhum comentário:

Postar um comentário